9 maneiras de melhorar sua tomada de decisão

A tomada de decisão é um desafio que todos nós enfrentamos.

De acordo com um estudo, tomamos cerca de 35.000 decisões todos os dias1 . Entre os quais encontramos:

  • Micro-decisões . Estes são os que levamos a cada momento, às vezes, sem nem perceber. “ Este artigo é interessante o suficiente para continuar lendo ou tenho que parar agora? ” “ Prefiro fazer um café ou um chá?” “Qual camiseta devo usar hoje?” Tomamos essas microdecisões a cada segundo, muitas vezes inconscientemente.
  • Decisões de vida. Geralmente são as mais difíceis de fazer porque definem a trajetória da nossa vida: “ Qual escola devo escolher? “ Devo mudar ou ficar aqui? “ Devo sair ou ficar nesta empresa?” “Estou pronto para me casar?” “Devo me divorciar?”
  • Decisões de negócios. Essas decisões determinam o futuro da empresa e indiretamente o nosso. São escolhas do tipo: “ Devo internacionalizar minha empresa ou fortalecer minha presença no território? ” “ Em qual canal devemos focar para aumentar nosso faturamento? ” “ Qual candidato escolher para esta posição? 
  • Decisões de compra. “ Devo comprar este iPhone ou melhor este Samsung? ” “ Que pacote de cereais escolher? ” “ Estou comprando este carro novo ou usado? 

Em suma, você terá entendido que somos confrontados com milhares e milhares de decisões diariamente. E mesmo que muitos deles tenham muito pouco impacto em nossas vidas, outros, por outro lado, determinam nosso futuro. Portanto, é fundamental saber tomar decisões para viver uma vida feliz e realizada. Para isso existem métodos e abordagens que podem ajudar.

Neste artigo você descobrirá quais são os melhores métodos de tomada de decisão. Sejam decisões de negócios, decisões de carreira, decisões de amor, decisões de compra… as poucas ferramentas que você aprenderá aqui o ajudarão a fazer uma escolha (mesmo escolhas difíceis).

pessoa jogando dardo
pessoa jogando dardo

Métodos de tomada de decisão

A matriz de decisão

A matriz de decisão é uma ferramenta que consiste em tomar uma decisão ponderando suas escolhas. É particularmente adequado quando você se depara com várias opções que você tem dificuldade em decidir.

Este método é dividido em 8 etapas:

Passo 1: Identifique a decisão que você precisa tomar

Aqui é suficiente formular de forma muito simples a decisão que você está enfrentando. Por exemplo: Devo me mudar ou ficar aqui?

Passo 2: Liste suas escolhas

Sua decisão é baseada em várias escolhas. Você deve listá-los no passo 2. Por exemplo, se você decidir se mudar, você se depara com a escolha do local, por exemplo, Paris, Lyon ou Marselha.

Passo 3: Escolha os critérios de avaliação e pondere-os

Ao fazer uma escolha, você deve considerar vários critérios. No caso de mudança, por exemplo, você pode considerar os seguintes critérios:

  • o clima (o clima nesta cidade é agradável o ano todo?)
  • o preço do alojamento (é uma cidade que é cara?)
  • qualidade de vida (É bom viver?)
  • proximidade do trabalho (é fácil encontrar alojamento perto do trabalho?)
  • amigos (Algum dos meus amigos mora nesta cidade?)

Uma vez escolhidos os critérios, defina a importância que eles têm para você atribuindo-lhes uma pontuação entre 0 e 5. Se, por exemplo, a qualidade de vida é algo muito importante para você, você colocará uma pontuação de 5 e se o proximidade com o trabalho não é tão importante você colocará uma pontuação de 2. Por exemplo:

  • tempo (4/5)
  • preço da acomodação (3/5)
  • qualidade de vida (5/5)
  • proximidade do trabalho (2/5)
  • amigos (4/5)

Passo 4: Construa sua matriz

Agora que você tem todos os elementos, coloque-os em uma matriz como segue.

Etapa 5: avalie suas escolhas de 0 a 5

Você deve anotar suas escolhas usando cada critério. Por exemplo, para Paris, se você considera o clima bom, dê uma nota 4. E se você julgar a qualidade de vida como medíocre, dê uma nota 2.

Avalie cada uma de suas escolhas de acordo com os critérios que você escolheu.

Passo 6: Calcule o total ponderado para cada uma de suas escolhas

Você definiu um peso para cada critério e avaliou cada escolha de 0 a 5, agora é hora de ponderar. Para fazer isso, multiplique a pontuação da avaliação pela ponderação. Por exemplo, para Paris, multiplique a pontuação que você deu para o tempo (4) pela importância que você dá a este critério (4). Portanto, 4 x 4 = 16 a pontuação ponderada será, portanto, 16.

Faça o cálculo para cada critério.

Etapa 7: adicionar cada nota

Adicione cada pontuação ponderada para obter o total ponderado. Para Paris, faça 16 + 3 + 10 + 2 + 16 para obter o total ponderado 47 e faça o mesmo para Lyon e Marselha.

Passo 8: Tome sua decisão

Uma vez que os totais ponderados são obtidos, torna-se fácil tomar sua decisão. Você só precisa escolher a pontuação mais alta.

  1. Marselha 73
  2. Lyon 58
  3. Paris 47

Então você vê aqui que de acordo com os cálculos você deve se mudar para Marselha.

A matriz de decisão é uma excelente técnica para decidir entre suas escolhas, pois permite levar em consideração todos os critérios que são importantes para você e incluí-los em sua tomada de decisão.

Leia também: Matriz de Decisão: O Guia Completo (+ Template Excel Gratuito)

A árvore de decisão

Se você tiver que tomar uma decisão financeira, uma decisão empresarial, uma decisão estratégica ou uma decisão de carreira, a árvore de decisão pode ser de grande ajuda para você. É uma ótima maneira de visualizar suas decisões e dar sentido às suas escolhas quando tudo está confuso na sua cabeça.

Vamos dar um exemplo simplista para entender como funciona a árvore de decisão.

Digamos que você queira começar um novo negócio e esteja dividido entre abrir uma loja de doces e abrir uma banca de limonada.

Comece desenhando um quadrado e adicione suas opções:

Em seguida, adicione as probabilidades de sucesso que você acha que tem para cada um deles.

Para a loja de doces, diremos que você acha que tem tanta chance de sucesso quanto de fracasso. Portanto, 50% de chance de ter sucesso em administrar sua loja e 50% de chance de falhar.

Faça o mesmo com a barraca de limonada. Aqui vamos admitir que você acha que tem as mesmas chances de sucesso e fracasso para sua barraca de limonada.

Agora estime os ganhos e perdas que você espera.

Para a loja de doces, você espera ganhar $ 100 se tiver sucesso e perder $ 50 se falhar. Para a barraca de limonada, você espera ganhar $ 150 se for bem-sucedido e perder $ 30 se for malsucedido.

Para saber qual decisão tomar, basta fazer o seguinte cálculo:

  • Abrir uma loja de doces: (50% x 100€) + (50% x -50€) = 25€
  • Abrir uma banca de limonada: (50% x 150€) + (50% x -30€) = 60€

Diante dos resultados, abrir uma banca de limonada parece ser a melhor ideia.

Aqui pegamos um exemplo simplista, mas a árvore de decisão pode ser usada para decisões muito mais complexas e incluir mais ramificações.

Se você se depara com muitas opções e é mais visual por natureza, esse método será de grande ajuda para você.

Leia também: Árvore de decisão: O guia completo (+3 exemplos úteis e concretos)

Tome uma decisão no lugar de outra pessoa

Você já percebeu como é mais fácil tomar decisões pelos outros do que por nós mesmos? Seja aconselhando alguém sobre sua carreira, sua vida amorosa ou até mesmo uma simples escolha de refeição em um restaurante, sempre parecemos ter mais facilidade em decidir pelos outros do que por nós mesmos.

Pesquisadores da East China Normal University e da Xinjiang Normal University2 , queria entender o porquê. Eles, portanto, conduziram vários estudos fazendo a si mesmos as seguintes perguntas:

Reunimos mais informações quando tomamos decisões pelos outros do que quando as tomamos por nós mesmos?

E a maneira como você avalia as informações muda dependendo de quem você está tomando a decisão?

Para responder a essas perguntas, os pesquisadores realizaram 8 estudos em vários milhares de participantes. Eles deram a eles cada testes para serem concluídos. Nestes testes, os participantes tiveram diferentes escolhas a fazer: escolhas de restaurante, escolhas de carreira, escolhas de parceiros… Todos tinham a mesma informação.

O que os pesquisadores descobriram foi que não só os participantes escolheram de forma diferente quando a escolha era para eles do que quando era para os outros, mas a maneira como eles escolheram também mudou.

Quando os participantes escolheram por si mesmos, eles foram mais granulares em sua abordagem. Eles se concentravam em pequenos detalhes e eram muito mais cautelosos. Por serem mais cuidadosos, eles tomaram decisões mais reservadas e deliberadas. Eles tendiam a não explorar todas as suas opções.

Quando decidiam por outros, por outro lado, eram mais aventureiros e corajosos. Preferiam a novidade e eram mais criativos e entusiasmados.

O que este estudo nos mostra é que quando decidimos pelos outros ousamos mais, nos inspiramos mais, temos mais ideias e superanalisamos muito menos.

Se a qualidade do nosso pensamento é melhor quando tomamos uma decisão pelos outros, então por que não fingir que tomamos decisões pelos outros quando as tomamos por nós mesmos?

Em vez de perguntar “ O que devo fazer? ”, por que não se perguntar “ O que eu aconselharia a um amigo?” e depois aplicá-lo às nossas próprias vidas?

Virando a questão nessa direção, saímos da equação. Temos então uma perspectiva diferente das coisas, somos mais aventureiros e menos conservadores em nossas próprias decisões.

Leia também: Como tomar melhores decisões com o Princípio dos Desbravadores

menino estudando
menino estudando

Tome uma decisão rápida com cara ou coroa

Quando você não pode tomar uma decisão, às vezes o melhor é recorrer ao acaso.

Cara ou coroa funciona muito bem para isso. Quando esgotamos todas as nossas opções, fizemos pesquisas, mas estamos paralisados ​​pela análise , jogar uma simples moeda no ar pode desbloquear a situação.

O interessante é que, ao jogar a moeda e olhar para o lado em que ela cai, às vezes você revela o que realmente queria o tempo todo. Descobrimos então que o lado em que caímos na verdade não era o que queríamos ou pelo contrário é o que mais desejávamos. Esse sentimento de satisfação/insatisfação também pode nos guiar em nossas escolhas.

Leia também: Sistema 1 / Sistema 2: As 2 velocidades do pensamento

5 coisas a considerar ao tomar uma decisão

Pense nas consequências de 2º e 3º graus

Quando tomamos uma decisão, muitas vezes consideramos as consequências imediatas, mas raramente pensamos nas consequências de 2º e 3º graus. No entanto, eles têm tanto impacto, se não mais, do que as consequências imediatas.

As consequências de 2º e 3º graus são consequências que não são imediatamente visíveis. Estes são os que só vemos quando levamos em conta o fator tempo e a noção de frequência e interação.

Vamos dar um exemplo concreto para entender melhor.

Digamos que você queira construir um hotel e esteja hesitando entre vários lugares. Para fazer sua escolha, você realiza um estudo de mercado.

Depois de reunir todos os elementos, você finalmente encontra o lugar perfeito. É uma localização soberba à beira-mar, com uma praia privada. O cenário é esplêndido e o local é muito bem servido. Fica a poucos quilómetros de uma estação de comboios e de um aeroporto. E ainda por cima, os melhores spots de mergulho da região estão mesmo ao lado.

Se você abrir um hotel aqui, as consequências imediatas para o seu negócio serão positivas. Um cenário tão idílico certamente atrairá muita gente e você não terá problemas para gerar um bom faturamento a cada ano.

Se pararmos nas consequências de 1º grau, abrir um hotel neste lugar parece uma boa ideia.

Agora vamos mais longe. Considere as consequências do 2º e 3º grau. Imagine que você decida mergulhar e abrir este hotel, o que acontece a seguir?

Como você previu, você é muito bem sucedido nos primeiros meses. Os turistas vêm em massa, eles adoram o cenário. Eles falam sobre isso ao seu redor e fazem seus amigos sonharem postando fotos no Instagram. Os clubes de mergulho da região adoram-te porque graças a ti têm mais clientes. O boca a boca funciona e ano após ano você tem mais e mais clientes.

Mas depois de um tempo, o ambiente começa a se deteriorar. A praia particular fica lotada. Os pontos de mergulho não são tão atraentes como antes. Com a passagem de turistas e poluição, muitos corais foram destruídos e os que ficaram perderam suas cores. Os peixes também estão se tornando mais raros.

Então, quando levamos em consideração o fator tempo e a frequência de turistas, as consequências de 2º grau são negativas.

menina deitada
menina deitada

Mas vamos ainda mais longe. O que acontece depois?

À medida que a localização outrora idílica perde seu charme, você começa a perder o ritmo. Os turistas escolhem outros hotéis mais tranquilos e praias menos movimentadas. Eles também estão se movendo em direção a outros pontos de mergulho onde há mais corais e peixes.

Consequência de terceiro grau: seu hotel está em dificuldades e com dificuldades para encontrar clientes.

Observe que este exemplo não é hipotético. Muitos hotéis, principalmente em algumas ilhas paradisíacas, enfrentam esse tipo de dificuldade. Em 2018, por exemplo, Borcay, o balneário mais famoso das Filipinas, foi fechado por 6 meses para salvar a ilha da poluição avassaladora. As consequências de 3º grau foram que a maioria dos hotéis, restaurantes e bares tiveram que fechar suas portas e vendedores, massagistas e operadores turísticos ficaram sem emprego3.

Quando você toma decisões, você não deve, portanto, parar nas consequências imediatas. Você também deve ter o cuidado de considerar as consequências do 2º e 3º grau para ter todos os elementos em mente.

No exemplo que acabamos de ver, as consequências imediatas da abertura de um hotel foram boas e as consequências de 2º e 3º graus foram ruins. Mas às vezes também acontece que é o contrário. Ou seja, as consequências imediatas são ruins e as consequências de 2º e 3º graus são boas.

Nesse caso, parar nas consequências imediatas pode nos fazer perder boas decisões.

Vamos imaginar que você está casado há 5 anos. Você ama seu cônjuge, mas ele/ela o puxa para baixo. Ele/ela não acredita em seus projetos e não te apoia quando é muito importante para você. Você está vivenciando muito mal a situação e hesita em se separar dele.

Se você considerar as consequências de 1º grau, terminar parece uma má ideia. Envolve ter uma conversa difícil, assinar os papéis do divórcio e passar por um momento doloroso.

Mas se você considerar as consequências de 2º e 3º graus, perceberá que terminar é a melhor coisa a fazer.

Você pode estar solteiro por um tempo, mas pelo menos poderá realizar seus projetos que são importantes para você sem que alguém baixe seu moral toda vez, sem contar que também terá toda a liberdade de encontrar outra pessoa. combina melhor com você e quem te respeita.

Às vezes é preciso ir além das consequências imediatas para descobrir que uma decisão que a princípio parece ruim é na verdade a melhor a longo prazo.

deixe as coisas descansarem

A parte mais frustrante de tomar uma decisão é não poder fazer nossa escolha mesmo depois de considerar todas as nossas opções. Podemos ter todas as informações de que precisamos, direcioná-las em todas as direções, pedir conselhos a amigos, nada ajuda, ficamos paralisados ​​pela análise.

Quando você se encontra nessa situação, às vezes é melhor não fazer nada. Ou seja, parar um pouco a tomada de decisões para passear, ir ao cinema, sair com os amigos, tirar uma soneca, ler um livro, ir no fim de semana…

A ideia aqui é fazer algo que não tem nada a ver com a nossa tomada de decisão e deixar o tempo agir. Às vezes é não fazendo nada que a solução vem por si só.

Leia também: O poder de não fazer nada

mulher concentrada
mulher concentrada

tomada de decisão sob emoção

“ Não prometa quando estiver feliz. Não responda quando estiver com raiva. Não decida quando estiver triste. 

A emoção tem um enorme impacto na nossa tomada de decisão. Às vezes, podemos enfrentar uma escolha idêntica e tomar uma decisão radicalmente diferente sob a influência de nossas emoções. Então, devemos confiar em nossas emoções ao tomar uma decisão?

Eu acho que é uma pergunta complicada porque realmente depende de como você opera. E neste ponto, somos todos diferentes.

Algumas pessoas têm uma abordagem muito racional e pragmática para a tomada de decisões. Eles tomam suas decisões coletando dados, analisando-os e analisando-os. Eles confiam nos dados antes da emoção.

Outros estão mais em sentimentos e confiam no que suas entranhas lhes dizem. Richard Branson, por exemplo, conta com a empolgação que sente ao tomar uma decisão, George Soros, por outro lado, conta com sua dor nas costas.  

Não acho que exista uma abordagem melhor do que outra. O importante é encontrar o que funciona melhor para nós. Talvez para você seja uma mistura dos dois.

De qualquer forma, seja qual for o nosso modo de funcionamento, uma coisa é certa, existem emoções diante das quais devemos permanecer muito vigilantes, em particular: Medo, raiva, ciúme e ódio.

Tomar decisões quando essas emoções passam por nós nunca é uma boa ideia e muitas vezes leva ao desastre.

Cuidado com seus preconceitos

Como ele ou nós, nossos preconceitos influenciam nossa tomada de decisão. Para tomar melhores decisões, temos, portanto, todo o interesse em reconhecê-los e levá-los em consideração ao fazer nossas escolhas.

Aqui estão diferentes tipos de vieses que provavelmente nos influenciarão ao tomar nossas decisões:

  • Viés de confirmação : Esse viés nos leva a sempre ir na direção de nossas crenças. Normalmente, ao tomar uma decisão, procuraremos todas as informações que venham nos apoiar em nossa escolha. Isso é um problema porque também significa que ignoramos informações que podem ser úteis para nós.
  • O viés da ancoragem mental: Damos mais importância às primeiras informações que temos sobre um assunto do que às que vêm depois. No caso da tomada de decisão, daremos portanto mais importância aos primeiros elementos recolhidos e menos aos que vierem posteriormente.
  • O Efeito Halo: O efeito halo é semelhante ao viés de ancoragem mental, pois nossa percepção de um assunto é influenciada por nossa opinião anterior sobre ele. Por exemplo, se um amigo descreve suas férias em Bali como ruins, seremos influenciados por sua opinião ao escolher nosso próximo destino de férias.
  • O viés da disponibilidade: Este é o viés que consiste em se contentar com a informação que está imediatamente disponível. Para contrariar isso, basta retomar a parte sobre as consequências de 1º, 2º e 3º grau. Considerar os vários graus de consequências o levará além da informação imediata.

Existem outros vieses, mas estando atento a esses 4, você já melhorará muito a qualidade de suas decisões.


Leia também: 14 vieses cognitivos que você precisa conhecer para tomar melhores decisões

Aceite tomar decisões ruins

Esse conselho pode parecer contra-intuitivo, mas aceitar tomar decisões erradas pode facilitar nossa tomada de decisão.

Buscar a perfeição é paralisante. Muitas vezes, é por isso que analisamos demais nossas decisões. Temos tanto medo de não fazer a escolha certa que nos é impossível decidir.

Para superar esse bloqueio, devemos aceitar de vez em quando tomar más decisões. Você não pode fazer as escolhas certas 100% do tempo. Se tomarmos boas decisões 80% das vezes, já é muito bom. Permitir-se essa margem de erro permite que você se liberte dessa pressão.

___

Para concluir, a tomada de decisão é uma arte que importa saber dominar. As decisões moldam nossos dias e definem os caminhos que tomamos na vida. Quando melhoramos nossas decisões, também melhoramos nossas vidas.

De qualquer forma, espero que este artigo o ajude a melhorar sua tomada de decisão e permita superar os bloqueios que está enfrentando.

Para mais:

  • Como tomar decisões rapidamente e sem riscos? (+ 5 exemplos concretos)
  • Árvore de decisão: o guia completo (+3 exemplos úteis e concretos)
  • Sistema 1 / Sistema 2: As 2 velocidades do pensamento
  • Como Tomar Decisões Melhores com o Princípio dos Desbravadores
  • 3 exercícios que vão te ajudar a fazer escolhas inteligentes
  • Por que e como documentar seu processo de tomada de decisão?
  • 4 maneiras de limitar a infobesidade para tomar decisões saudáveis
  • Matriz de Decisão: O Guia Completo (+Modelo de Excel Gratuito)
  • 14 vieses cognitivos que você absolutamente precisa conhecer para tomar melhores decisões

Notas :

  1. 35.000 Decisões: As Grandes Escolhas dos Líderes Estratégicos
  2. A escolha pelos outros e sua relação com a busca de informações
  3. Filipinas: Polícia fecha paraíso Boracay

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...