Abordagem de Sistemas: A Arte de Estudar Tópicos Complexos

A abordagem de sistemas , também conhecida como análise de sistemas , é um campo interdisciplinar que envolve o estudo dos sistemas complexos que nos cercam.

Como lembrete, um sistema é um conjunto de elementos coordenados e organizados. O corpo humano, por exemplo, é um sistema. É um conjunto complexo de órgãos e vasos sanguíneos interligados. O sistema solar é outro. É um conjunto de planetas regidos pela atração gravitacional do sol. Uma empresa também é um sistema, assim como o mercado, a economia, a política, a sociedade, os computadores, os smartphones…

Então, qual é o objetivo de estudar esses sistemas? E por que a abordagem sistêmica é mais interessante que outra?

Para entender, vou contar a história do paraquedismo de gatos na ilha de Bornéu1 .

Na década de 1950, os habitantes da ilha de Bornéu sofreram uma epidemia de malária. Eles pediram ajuda à Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso teve a ideia de pulverizar uma grande quantidade de DDT (produto químico) na ilha, que matava os mosquitos portadores da doença. Só que houve alguns efeitos colaterais. 

Primeiro, os telhados das casas da ilha começaram a desmoronar misteriosamente. Mais tarde, a organização percebeu que o DDT não apenas matava mosquitos, mas também uma espécie de vespa muito útil que impedia as lagartas de devorar telhados de palha. Sem essas vespas, o número de lagartas aumentou rapidamente e, consequentemente, os telhados das casas ficaram frágeis. 

Mas isso não é tudo. O DDT também afetou muitos outros insetos. Agora esses insetos foram comidos pelos lagartos da ilha. Com o tempo, os lagartos acumularam um alto nível de DDT em seu organismo. Eles toleraram bem o produto químico. Não foi o caso dos gatos que comeram esses lagartos e que pelo golpe também absorveram o DDT. Muitos gatos morreram por causa disso. 

Com menos gatos na ilha, os ratos também começaram a proliferar. Os habitantes de Bornéu não tiveram mais problemas de malária, mas desta vez foram vítimas de uma epidemia de peste.

ratos
ratos

Eles ligaram novamente para a Organização Mundial da Saúde, que teve a ideia de lançar gatos vivos de pára-quedas na ilha de Bornéu. O objetivo era repovoar a ilha com gatos para reduzir a população de ratos. Essa ideia foi acertada, pois os gatos acabaram restabelecendo a situação. 

Todas as consequências causadas pela pulverização de DDT na ilha são produto de uma abordagem linear. 

A Organização Mundial da Saúde viu um problema (malária) e encontrou uma solução (aspergir a ilha com DDT para matar os mosquitos portadores da doença).

Só que ela não considerava que os mosquitos faziam parte de um ecossistema mais complexo e que ao borrifar um produto químico na ilha, ela também afetaria outros insetos e animais.

Se a OMS tivesse usado a abordagem sistêmica, teria evitado toda essa cascata de problemas. Ao pensar em uma solução, ela não teria se concentrado apenas no problema dos mosquitos, mas também levaria em conta o ecossistema do qual os mosquitos faziam parte para encontrar uma solução adequada.

O interesse da abordagem sistêmica está aí. Ele nos permite entender melhor os sistemas ao nosso redor para encontrar melhores soluções e tomar melhores decisões . 

Neste artigo você verá com mais detalhes o que caracteriza a abordagem sistêmica. Você descobrirá 4 passos para o pensamento sistêmico. Também darei um exemplo muito concreto de uma abordagem de sistemas que usei recentemente para um cliente.

Qual é a abordagem sistêmica?

A abordagem sistêmica é caracterizada por 6 conceitos principais: 

  • interconexão
  • Síntese
  • emergência
  • O ciclo de feedback
  • Causalidade 
  • Cartografia 

Tenha certeza, por trás desses termos bárbaros, existem apenas ideias simples para entender. 

interconexão 

Para aplicar a abordagem sistêmica, devemos pensar de forma circular e não linear. Ou seja, devemos perceber que tudo está interligado.

Imagine que regamos regularmente uma planta e que, apesar de toda a nossa boa vontade, ela murcha. Pensando linearmente, provavelmente teremos dificuldade em entender o que está acontecendo. Pensaremos que, se regarmos uma planta, ela necessariamente florescerá.

Agora, se pensarmos em termos de sistema, vamos perceber que uma planta faz parte de um ecossistema e que não se trata de dar água para ela florescer. Outros elementos também entram em jogo: a exposição ao sol, a temperatura, a taxa de umidade, a qualidade do solo, as estações do ano… 

Todos esses elementos estão interligados e influenciam a boa saúde da planta. Se queremos que cresça, também devemos levá-los em consideração.

O primeiro conceito a ser lembrado aqui é, portanto, que em um sistema tudo está interconectado. 

local de trabalho
local de trabalho

Síntese 

Existem 2 formas de estudar o que nos rodeia: análise e síntese.

A análise consiste em quebrar um sistema para entender do que ele é feito. Normalmente é desmontar um motor de carro para ver as peças que o compõem. 

Com a análise consideraremos que um sistema é simplesmente a soma do que o constitui. Um motor de carro, por exemplo, não é nem mais nem menos do que a soma de seus componentes, ou seja, um filtro de ar, uma correia, câmaras de combustão, etc.

Essa abordagem funciona muito bem, pois nos permitiu entender muitas coisas até agora, incluindo como os átomos funcionam. Só que também tem seus limites.

Pensar que um sistema é simplesmente a soma de suas partes é redutivo. Quando o sistema está mal conectado, a abordagem é válida, mas só precisa se tornar mais complexa para ser completamente inadequada. É aí que entra a síntese.

A síntese permite compreender sistemas complexos que possuem forte conectividade, como sistemas computacionais, sistemas sociais, etc. 

É um processo de raciocínio que consiste em abordar um sistema como um todo considerando os elementos que o compõem. 

Simplificando, a síntese vai além da análise. Ela está interessada em ambas as peças do motor, mas também em como elas funcionam em coordenação uma com a outra. 

Emergência 

Para preparar um bolo, você deve misturar farinha, açúcar, leite, ovos, fermento, um pouco de manteiga e 1 pitada de sal e colocar tudo para aquecer no forno. 

Cada ingrediente misturado muda quando entra em contato com o outro. A farinha torna-se pastosa em contato com leite e ovos. E o fermento umedecido pelos outros ingredientes faz a massa inchar. Todos esses ingredientes expostos ao calor do forno adquirem uma textura fofa para produzir um bolo.

Se você desse esses mesmos ingredientes a um homem cro-magnon, ele nunca suspeitaria que, combinando-os, poderia fazer um bolo. Mesmo analisando cada ingrediente nos mínimos detalhes, não há motivos para acreditar que eles possam se transformar em uma deliciosa sobremesa.

Este raciocínio é igualmente válido para lagartas. Você pode olhar para uma lagarta de todos os ângulos, mas não há razão para acreditar que ela tenha a capacidade de se transformar em borboleta.

Para descobrir, é preciso entender que a lagarta pode transformar sua epiderme em crisálida. Que em sua crisálida, a lagarta é dissolvida por enzimas. E que só se transformará em borboleta se o nível de sol e umidade for bom, mas também se não tiver sido comido por um pássaro nesse meio tempo. Há uma dinâmica real por trás de sua transformação.

Emergência, é isso. É o resultado da sinergia das partes de um sistema. É quando diferentes elementos interagem entre si para produzir algo novo.

Para um bolo, estes são os diferentes ingredientes que são combinados e reaquecidos no forno. 

E para a borboleta, são as capacidades biológicas da lagarta combinadas com as condições climáticas e seu ambiente.

Quando entendemos a emergência, reconhecemos que os elementos de um sistema não são fixos, mas evolutivos e dinâmicos, o que nos permite compreender muitos outros fenômenos.

hábitos
hábitos

Loop de feedback

Vimos um pouco antes que em um sistema todos os elementos estão interconectados. A influencia B, mas B também influencia A em troca. Chamamos isso de loops de feedback. 

Existem basicamente 2 tipos de loop de feedback: 

  • laços de reforço
  • loops de equilíbrio

Os laços de reforço ocorrem quando os elementos de um sistema se reforçam em uma determinada direção. 

Nosso sistema de crenças, por exemplo, é um laço de reforço. Quando acreditamos firmemente que podemos ou não realizar algo, reforçamos essa crença.2 .

Digamos que você pense que não é uma pessoa atlética e um amigo o convenceu a entrar na academia.

Como você acredita que não é atlético, irá para a academia, mas se limitará. Você dirá a si mesmo que, como não é atlético, é incapaz de fazer X flexões ou correr X quilômetros. Você limitará seu potencial.

Suas ações serão sentidas. Você só vai correr o que você acha que pode correr e fazer tanto exercício quanto você acha que pode, em outras palavras, pouco.  

Como suas ações serão limitadas, você alcançará poucos resultados. Você irá à academia algumas vezes, mas não notará nenhuma melhora perceptível em seu desempenho físico.

Esses resultados ruins reforçarão sua crença de que você não é atlético. Você novamente usará pouco do seu potencial, fará poucas ações e assim por diante.

Aqui eu peguei um exemplo de um laço de reforço negativo, mas também pode ser positivo. 

Boas crenças podem absolutamente fazer você usar o máximo de seu potencial, fazer você empreender o máximo de ações para lhe dar o máximo de resultados que reforçarão ainda mais sua crença.

O laço de reforço é, portanto, o primeiro tipo de laço retroativo.

Depois, há os cachos de equilíbrio. Como o próprio nome sugere, é quando um sistema se equilibra. 

Na introdução deste artigo, falei sobre o paraquedismo de gatos na ilha de Bornéu. Neste exemplo, todo o ecossistema da ilha foi baseado no equilíbrio de forças. As vespas impediram a proliferação de lagartas que comem palha. E os gatos regulavam a população de ratos. Elimine as vespas ou os gatos e todo o ecossistema da ilha fica completamente desequilibrado.

As mesmas forças de equilíbrio também estão em jogo em empresas como Airbnb ou Uber. Para que essas empresas funcionem, é preciso haver um equilíbrio entre oferta e demanda. No Airbnb, por exemplo, deve haver um número suficiente de pessoas oferecendo hospedagem para que os viajantes encontrem o que procuram e queiram reservar na plataforma. Mas também deve haver viajantes suficientes para que os anfitriões tenham interesse em oferecer sua acomodação na plataforma. É esse loop de equilíbrio que permite que o Airbnb funcione.

Os loops de reforço e balanceamento são, portanto, dois outros conceitos a serem lembrados da abordagem sistêmica.

ação
ação

Causalidade 

Causalidade refere-se a como as coisas influenciam dinamicamente umas às outras. Este é o princípio de causa e efeito que todos conhecemos. 

A causalidade é um conceito importante a ser lembrado ao analisar a abordagem de sistemas, pois fornece uma compreensão profunda de como os sistemas funcionam e sua dinâmica.

Mapa do sistema

A melhor maneira de entender um sistema é mapeá-lo, ou seja, representá-lo na forma de um diagrama ou gráfico. Isso permite achatar os diferentes elementos que o compõem para ver com mais clareza. É muito mais fácil compreender um sistema quando ele é esquematizado diante de nossos olhos do que quando permanece em nossa cabeça.

Existem diferentes maneiras de mapear um sistema: 

  • O gráfico de tempo para estudar a evolução de um sistema ao longo do tempo.
  • O modelo de iceberg para representar os diferentes estratos de um sistema.
  • O loop de causalidade para observar a dinâmica de um sistema.
  • O círculo conectado para ver a interconexão entre os diferentes elementos de um sistema.

Não vou entrar em detalhes aqui. Cada esquema merece seu próprio artigo. Basta lembrar que para entender melhor um sistema, você deve esquematizá-lo. Para fazer isso, tente representar o sistema de maneiras diferentes. Você verá imediatamente qual é o mais adequado.

Em resumo, para aplicar a abordagem sistêmica, é necessário entender os 6 conceitos a seguir: 

  • Interconexão: um sistema é um conjunto de conexões
  • Síntese: para abordar um sistema, não se deve apenas interessar-se pelos elementos que o compõem, mas também pela forma como eles interagem entre si.
  • Emergência: as combinações de elementos de um sistema podem se sinergizar para produzir algo novo. 
  • O loop de feedback: um sistema é governado por loops que reforçam ou equilibram uns aos outros.
  • Causalidade: os elementos de um sistema são permanentemente influenciados pelo princípio de causa e efeito.
  • Mapeamento do sistema: para entender um sistema com mais facilidade, mapeie-o.
mapa
mapa

Como pensar em um sistema?

Agora que você sabe o que são ciclos de feedback, interconexão, emergência… você provavelmente está se perguntando como aplicar tudo isso na vida cotidiana.

Nesta parte, você descobrirá quais são os 4 passos para usar a abordagem sistêmica. 

Passo 1: Identifique o assunto a estudar

Para esta primeira etapa, você só precisa se fazer a seguinte pergunta:

O que estou procurando estudar?

Os tópicos para análise são infinitos. Você pode estudar um negócio, um problema, uma ideia, um sistema biológico, um componente de computador, uma pessoa… 

Tudo é possível. Certifique-se de ser específico.

Passo 2: Delimitar o sistema do assunto de estudo 

Quando você está aprendendo a nadar, começar com uma piscina com bordas nas quais você possa se segurar e pontos rasos lhe dá confiança para explorar e aprender. O oceano, por outro lado, pode ser intimidador e percebido como perigoso. Mas só porque você está aprendendo a nadar em uma piscina não significa que você não conheça o oceano; na verdade, o oceano é muitas vezes o objetivo para o qual tendemos a ir. Portanto, para desenvolver seu pensamento sistêmico, comece com um sistema bem definido e delimitado: uma piscina onde você possa ver as bordas e saber com o que está lidando antes de pular no oceano.

LEYLA ACAROGLU

O que é desestabilizador quando você está interessado na abordagem sistêmica é que muito rapidamente você percebe que, para um determinado assunto, existe um oceano de sistemas possíveis para estudar.

Se o seu objeto de análise for uma empresa, por exemplo, você pode estudar: 

  • O organograma da empresa, ou seja, todas as pessoas que ali trabalham e a forma como estão ligadas entre si. 
  • O mercado em que a empresa atua . O mercado é um sistema. É um conjunto de atores (empresas, joint ventures, investidores, etc.) que estão interligados. Eles evoluem de acordo com certas regras (dinâmica de oferta e demanda, regulação, leis, etc.) 
  • Contabilidade da empresa. A contabilidade também é um sistema. É uma representação dos fluxos financeiros da empresa onde cada movimento tem um determinado efeito.
  • O relacionamento da empresa com seus clientes. Um negócio impacta a vida de seus clientes de forma positiva ou negativa. A dinâmica que opera aqui é um sistema.

Podemos ver claramente aqui que para um determinado elemento (a empresa), há uma infinidade de sistemas.

Nesta segunda etapa, portanto, é importante delimitar seu campo de estudo, ou seja, escolher onde o sistema começa e onde termina.

mesa organizada
mesa organizada

Passo 3: Estude o sistema 

Agora que você determinou o seu tópico e delineou o sistema a ser estudado, é hora de entender como ele funciona.

Para fazer isso, divida o sistema em vários elementos e veja como esses elementos interagem entre si. 

Quais são as interligações? O que influencia o quê? Que forças governam esse sistema?

Se você escolheu uma empresa por exemplo e está interessado em seu mercado, liste as empresas presentes nela. 

Quem são os líderes? Quem são os concorrentes diretos e indiretos? Qual é o posicionamento deles? Algumas empresas estão associadas umas às outras? Existem grupos de empresas?

Todas essas questões muitas vezes exigem pesquisa. É fazendo-os que você conseguirá destacar o sistema e compreenderá melhor a dinâmica que o rege.

Etapa 4: mapear o sistema

Mapear um sistema é a melhor maneira de entendê-lo. Ao estudá-lo, represente-o na forma de um diagrama, então será muito mais fácil para você estudá-lo.

Agora que você conhece as principais etapas da abordagem sistêmica, vou dar um exemplo bem concreto de aplicação.

Um exemplo de abordagem sistêmica 

Um dos meus clientes gerencia uma plataforma de recrutamento que conecta recrutadores e candidatos. 

Outro dia ele me liga e me explica que muitos candidatos se cadastram em seu site, mas que ele está lutando para encontrar recrutadores. Isso é um problema porque os candidatos encontram poucas empresas para se candidatar. 

Quando ele me diz isso, já visualizo um primeiro sistema na minha cabeça. Eu penso no Airbnb e digo a mim mesmo que ele enfrenta um problema semelhante, onde a oferta deve se equilibrar com a demanda para que o sistema funcione.

Eu então pergunto ao meu cliente todas as estratégias e táticas que ele colocou em prática até hoje para encontrar novos negócios e, assim, evitar propor ideias que ele já experimentou.

Uma vez que esses elementos estão em mente, eu aplico os 4 passos da abordagem sistêmica.

Passo 1: Identifique o assunto a ser estudado

Aqui meu objeto de estudo é o seguinte:

Como encontrar mais empresas que estão a recrutar?

Passo 2: Delimitar o sistema do assunto de estudo 

Uma empresa de recrutamento pertence a muitos sistemas. Então eu tive que encontrar aquele que eu achava que era o mais relevante para o meu problema. 

Decidi interessar-me pela rede a que pertencem as empresas de recrutamento, ou seja, por todas as empresas com as quais os recrutadores estão habituados a trabalhar. 

Passo 3: Estude o sistema 

Listei todos os atores que costumam colaborar com os recrutadores, ou seja, feiras de recrutamento, centros de formação, organizações, seguradoras, contabilistas… e pensei na interligação entre cada um destes atores.

Etapa 4: mapear o sistema

Para entender melhor o sistema, desenhei um diagrama para mapear a rede. 

Tendo este diagrama na minha frente eu tive uma ideia. Eu disse a mim mesmo: por que não entrar em contato com os atores que já trabalham com recrutadores para pedir que eles promovam a plataforma em troca de uma comissão?

Eu apresentei a ideia ao meu cliente que foi conquistado. Ele colocou sua equipe de vendas para trabalhar e desde então eles conseguiram encontrar várias empresas parceiras que os ajudam a encontrar novos recrutadores. A plataforma está a caminho de equilibrar oferta e demanda.

Conclusão

A abordagem de sistemas pode ser assustadora no início. Mas com o tempo e seguindo os poucos passos que lhe dei, você poderá mudar completamente a maneira como pensa e vê coisas que não via antes.

Notas:

  1. Pensamento sistêmico: um conto de advertência (gatos em Bornéu)
  2. Tony Robbins, Frank Kern e John Reese sobre a habilidade mais importante dos empreendedores

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...