Autocrítica negativa vs autocrítica construtiva

A autocrítica muitas vezes tem uma conotação negativa. Para muitos, essa palavra é sinônimo de julgamento, dureza consigo mesmo, ruminação, baixa autoestima…

Mas, ao contrário da crença comum, a autocrítica é benéfica. É até mesmo um exercício necessário para progredir em qualquer campo. Ainda preciso saber como proceder…

Neste artigo, você aprenderá a fazer uma autocrítica construtiva com hansei , uma abordagem japonesa de autorreflexão e melhoria contínua . Mas primeiro, vamos dar uma olhada rápida no que é a autocrítica. 

Autocrítica: Definição

Aqui está a definição de autocrítica:

Crítica por uma pessoa de sua própria atitude, seu próprio comportamento

A autocrítica é, portanto, um julgamento que você faz a si mesmo. É uma autorreflexão que pode assumir 2 formas:

  • Autocrítica negativa/depreciativa
  • Autocrítica construtiva

Autocrítica negativa/depreciativa

A autocrítica negativa costuma ser aquela em que pensamos primeiro quando ouvimos a palavra “ autocrítica ”, porque é aquela com a qual estamos mais familiarizados e também a que mais nos machuca.

Essas são as coisas pelas quais você se culpa. Aqueles erros do passado que você insiste. Aqueles complexos que você tem há anos. É aquela pequena voz interior que constantemente ataca e julga você. Em suma, são todas essas coisas que fazem de você seu pior crítico.

produtividade
produtividade

Aqui estão alguns exemplos de autocrítica negativa: 

  • Eu sou uma merda, eu não vou conseguir
  • Eu não sou inteligente/bonito/popular o suficiente…
  • Os outros são melhores que eu

Quando você diz a si mesmo todas essas coisas, você é muito duro consigo mesmo. Demasiado difícil. Além disso, se alguém lhe dissesse metade do que você diz a si mesmo, você nunca aceitaria. Mas quando se trata de si mesmo, você se permite. 

A autocrítica negativa é tudo menos útil. Alimenta suas dúvidas e enfraquece sua autoconfiança. Também cria bloqueios. Isso explica por que às vezes você não se atreve a fazer as coisas ou se deixa paralisar por certos problemas.

Autocrítica construtiva 

Se a autocrítica negativa não é boa, a autocrítica construtiva, pelo contrário, é benéfica. É até necessário se você quiser melhorar.

Consiste em se questionar, exercitar seu pensamento crítico e analisar seus resultados com objetividade. Ao adotar essa abordagem, você reconhece suas falhas e erros e procura maneiras de corrigi-los. 

Aqui estão alguns exemplos de autocrítica construtiva: 

  • O que deu errado? 
  • Por que não funcionou?
  • O que posso melhorar?
  • Como posso melhorá-lo?

A grande diferença da autocrítica negativa é que, por trás de todas essas perguntas, há uma reflexão real. Você não afirma nada, não assume nada, você procura proativamente por áreas de melhoria.

Como fazer uma autocrítica construtiva com o hansei?

Hansei (反省 autorreflexão) é um termo japonês que se refere a reconhecer o próprio erro e se comprometer com o auto-aperfeiçoamento.

Com o hansei, você identifica o que está errado e implementa um plano para corrigir o problema.

Veja como implementar esse processo.

Analise a situação objetivamente

Para começar, afaste-se de seus pensamentos, do que você disse ou fez, do que aconteceu. E analise a situação da forma mais objetiva possível. Você pode fazer isso escrevendo se isso o ajudar a ver as coisas com mais clareza. 

Vamos dar um exemplo, digamos que você perdeu uma apresentação. No momento da partida, o retroprojetor não estava funcionando. Durante a apresentação, você não foi convincente. E no final, você não respondeu às perguntas do seu público.

Em vez de dizer a si mesmo “ não sei como apresentar, sou péssimo ” ou “ tenho certeza que os outros pensaram mal de mim ”, analise objetivamente o que aconteceu e se pergunte: 

  • Por que o retroprojetor não estava funcionando? 
  • O que eu poderia ter feito para evitar que isso acontecesse?
  • Por que não fui convincente?
  • Como posso ser?
  • Por que eu não sabia como responder às perguntas?
  • Como eu poderia ter me preparado melhor?
homem com preguiça
homem com preguiça

Mantenha-se o mais factual possível ( o método dos 5 porquês aqui pode ajudar). 

Depois de analisar o que deu errado, não pare por aí. Foque também no que deu certo. 

Muitas vezes, nos concentramos em nossos erros. Mas é igualmente importante nos debruçarmos sobre o que conseguimos fazer e nos congratularmos por isso.

Talvez durante sua apresentação você tenha conseguido manter a calma quando nada estava indo como planejado. Ou talvez, não conseguindo convencer, você tenha conseguido criar uma conexão real com seu público.

Reconheça esses aspectos positivos para aprender com eles, mas também para tornar sua análise mais objetiva. Nada é 100% negativo. Há sempre algo positivo em cada situação, mesmo que às vezes seja difícil de encontrar.

Faça um plano de ação para melhorar

Depois de fazer seu diagnóstico, pense em diferentes maneiras de melhorar a si mesmo e encontre soluções, para evitar repetir os mesmos erros.

Se você perdeu sua apresentação, pergunte a si mesmo o que você fará diferente da próxima vez. Você poderia por exemplo:

  • Compre um retroprojetor portátil e leve-o sempre que fizer uma apresentação. Você sempre terá uma solução de backup.
  • Passe mais tempo preparando sua apresentação e ensaie-a várias vezes. 
  • Pense nas possíveis perguntas que provavelmente serão feitas no final para poder respondê-las
  • Você treina regularmente para apresentar-se para melhorar a si mesmo e, por que não, fazer treinamento em fala e persuasão.

Você deve encontrar soluções construtivas para melhorar a si mesmo e evitar repetir os mesmos erros. 

Você nunca comete o mesmo erro duas vezes. A segunda vez que você faz isso, não é mais um erro, é uma escolha.

LAUREN CONRAD

Para saber mais sobre “como preparar um plano de ação”, recomendo a leitura do seguinte artigo:

Como você elabora um plano de ação sólido (e cumpri-lo)?

menina com livro na cara
menina com livro na cara

Aceite cometer erros

Erros fazem parte da vida, você não pode evitá-los. Tudo o que você pode esperar é que eles não custem muito e que você não cometa o mesmo erro duas vezes.

LEE LACOCCA

Você aprende errando. 

É caindo que aprendemos a andar. É tomando as decisões erradas que adquirimos sabedoria. E é conhecendo as pessoas erradas que você sabe quais evitar. 

Os erros fazem parte do processo de aprendizagem. Eles fornecem informações valiosas. Você tem que aceitá-los e aprender com eles. Tenha sempre em mente que muitas vezes você aprenderá mais com seus fracassos do que com seus sucessos. 

Conclusão

A autocrítica é uma faca de dois gumes. Ele pode fazer você crescer, bem como destruí-lo. 

Se você gastar seu tempo ruminando, criticando a si mesmo e dizendo a si mesmo que você é inútil ou menos bom que os outros, ela o destruirá. Mas se você analisar objetivamente seus erros e procurar maneiras de melhorar, sairá mais forte. 

Portanto, tente ao máximo tornar a autocrítica construtiva. Esta é a única maneira de melhorar continuamente a si mesmo.

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...