Martelo de Maslow

“ Se a única ferramenta que você tem é um martelo, você tende a ver qualquer problema como um prego ” –

ABRAHAM MASLOW

Em 2007 sofri um esgotamento acompanhado de crises de ansiedade. Eu tinha trabalhado demais e levado meus limites um pouco longe demais. Consequências ? Ataques de pânico repetidos, frequência cardíaca constantemente alta, náuseas, tonturas…

Naturalmente, quando surgiram os primeiros sinais de ansiedade, fui ao médico. Sua receita era simples: cápsulas para estresse e se o problema persistir, antidepressivos.

Para um médico, a ansiedade não é nem mais nem menos do que uma má conexão entre os neurônios. Basta então controlar a maneira como os neurotransmissores funcionam graças às moléculas contidas nos medicamentos para ajudar os pacientes a retornarem gradualmente ao seu estado normal.1 .

A prescrição de medicamentos é a maneira como os médicos tendem a lidar com os problemas de seus pacientes. É sua “ferramenta”, seu “martelo” para usar a analogia de Maslow.

Você tem um resfriado? Tome um remédio para resfriado. Uma dor de cabeça ? Um adv. Dor nas costas? Um analgésico.

Medicamentos são necessários e são até de grande ajuda em alguns casos. No entanto, eles não devem ser a única ferramenta a considerar por padrão quando se trata de tratar o mal menor.

No caso dos ataques de ansiedade, por exemplo, existem muitas alternativas aos antidepressivos. Você pode meditar, fazer ioga ou praticar esportes, por exemplo. Eles também são ferramentas eficazes que permitem superar suas ansiedades a longo prazo.

moça concentrada
moça concentrada

No meu caso eu havia escolhido a meditação. 30 dias consecutivos de meditação por 2 horas por dia. E essa escolha mudou completamente minha vida.

Não só os ataques de ansiedade desapareceram completamente, mas me permitiram desenvolver outras habilidades que eu não tinha antes. Isso teria sido impossível com um antidepressivo.

Se eu não tivesse procurado outras soluções para o meu problema, teria sofrido os “golpes de martelo” dos médicos, ou seja, teria escolhido a única solução que eles tinham a oferecer: os medicamentos.

A armadilha da especialização

Quando confrontados com um problema, nosso conhecimento pode nos ajudar a resolvê-lo e também limitar nossa capacidade de considerar outras opções.

Na medicina, por exemplo, os médicos têm um conhecimento profundo do corpo humano e dos diversos medicamentos que existem para tratar seus pacientes. No entanto, sua especialização muitas vezes os impede de considerar outras ferramentas que existem fora de sua área de atuação.

Para considerar todas as nossas opções, devemos primeiro reconhecer que somos todos mais ou menos influenciados pelo nosso conhecimento.

Leia também: Como raciocinar melhor limitando nossos vieses de confirmação

A armadilha da zona de conforto

Quando ficamos em nossa zona de conforto, não nos esforçamos para aprender coisas novas. Não questionamos o que já sabemos. O problema é que isso nos impede de ver todas as nossas opções.

Os desenvolvedores, por exemplo, tendem a usar as mesmas ferramentas ao passar de um projeto para outro. Como são especializados em determinadas linguagens de computador, limitam-se a elas. Eles ficam em sua zona de conforto.

Apenas todos os projetos são diferentes e não apresentam os mesmos problemas. Não podemos aplicar a mesma linguagem em todos os lugares. Algumas linguagens são eficazes para um projeto e não para outro.

mulher concentrada
mulher concentrada

Ao permanecerem dentro de sua área de atuação, eles descartam todas as outras ferramentas que possam permitir escrever códigos mais elegantes e eficientes.2 .

Para poder ter mais ferramentas, devemos questionar constantemente nossos conhecimentos e sair da nossa zona de conforto.

Como não ser vítima do martelo de Maslow

De acordo com Dennis LaMoutain , 4 dicas podem nos ajudar a evitar o martelo de Maslow:

  • Observe quando os outros caem na armadilha: Preste atenção especial ao seu médico, mecânico, cientista da computação… eles podem ser vítimas de sua especialização e fornecer apenas um número limitado de soluções sem saber.
  • Examine sua própria história: com que frequência você usa suas ferramentas favoritas (seu “martelo”) apenas para perceber que isso não mudou nada ou piorou as coisas?
  • Expanda sua caixa de ferramentas: pesquise as melhores práticas em seu campo. Leia livros, blogs, faça treinamentos, conferências…
  • Consulte outras pessoas: encontre outras pessoas com conhecimento que tenham ferramentas que você não tem. Peça-lhes que expliquem como eles funcionam.

___

Nossa experiência é tanto uma ajuda quanto um fardo. Ajuda-nos a encontrar soluções para os nossos problemas, mas também influencia o nosso raciocínio que nos impede de ver todas as possibilidades.

Se queremos tomar melhores decisões e resolver nossos problemas de forma eficaz, é importante lembrar que muitas vezes existem mais ferramentas do que pensamos. Apenas vá encontrá-los.

“  Se você ficar preso, desenhe com um lápis diferente. Troque suas ferramentas; vai libertar sua mente.  –Paul Arden

Notas:

  1. Como funcionam os antidepressivos 
  2. Lei do instrumento 

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...