Modelos mentais: o que são e como usá-los?

O que é um modelo mental?

Um modelo mental é um conceito, sistema ou maneira de ver o mundo que nos ajuda a entender como as coisas funcionam.

Na economia, por exemplo, a lei da oferta e da procura é um modelo mental. A lei de Pareto ou regra 80/20 é um modelo mental. Na química , a lei que diz que nada se perde, nada se cria, tudo se transforma é também um modelo mental. Na física, a alavanca de Arquimedes é um modelo mental. Na medicina , a iatrogênese é um modelo mental. Em finanças, o “efeito composto” ou efeito cumulativo é um modelo mental.

Modelos mentais existem em todos os campos. Você provavelmente já conhece alguns deles.

Esses modelos são ferramentas reais que nos ajudam a pensar melhor, resolver problemas de forma eficaz e tomar melhores decisões .

Graças a eles, Einstein conseguiu resolver o problema da relatividade, por exemplo. Elon Musk foi capaz de criar Space X e Tesla. Ray Dalio conseguiu criar um dos fundos de hedge mais poderosos do mundo. Ford pode ter inventado o fordismo.

Todos eles aprenderam vários modelos fundamentais e os utilizaram de forma inteligente durante suas carreiras.

menino focado
menino focado

Como você aprende um modelo mental?

Você aprende um modelo mental como aprende qualquer outro assunto. Ou seja, interessando-se por ela, lendo, tomando notas e sobretudo colocando em prática os próprios conhecimentos.

Durante esse processo de aprendizado, você deve absolutamente procurar entender como o modelo funciona sob o risco de aplicá-lo incorretamente posteriormente.

Imagine ser um gerente de agência imobiliária e não entender a lei da oferta e demanda (para você quando a oferta cai e a demanda sobe, os preços caem). Você teria dificuldade em manter seus clientes ou até mesmo encontrá-los.

Por quê ? Porque seus clientes vendedores venderiam sua casa a um preço mais baixo do que o mercado e os compradores comprariam a um preço mais alto.

Então você estaria perdendo o dinheiro de todos.

Não é fácil ser levado a sério ou recomendado nessas condições.

É por isso que você precisa entender completamente como um modelo mental funciona antes de usá-lo.

A transversalidade dos modelos mentais

Compreender um modelo mental também é importante para saber aplicá-lo transversalmente.

O que isso significa exatamente?

Alguns modelos mentais, originalmente encontrados e aplicados em um campo específico (economia, ciência, física…) podem ser úteis e aplicáveis ​​a outros campos. Dizemos então que podemos aplicá-los transversalmente.

É o caso do princípio de Pareto, por exemplo.

Originalmente, este modelo vem de Vilfredo Pareto, um economista do século 19 que percebeu que 80% das terras italianas pertenciam a 20% da população.

rapaz focado
rapaz focado

Ao analisar outros países europeus, ficou surpreso ao ver que essa proporção era substancialmente idêntica na Inglaterra, França, Rússia e Prússia.

É dessa observação que nasceu o princípio de Pareto.

Originalmente, esse princípio era, portanto, econômico. Hoje é aplicado a muitas outras áreas, como produtividade (80% dos resultados vêm de 20% de nossos esforços), marketing (80% das vendas vêm de 20% dos clientes), desenvolvimento de software (80% dos problemas técnicos vêm de 20 % de bugs), gestão (80% do trabalho dentro de uma empresa é feito por 20% dos funcionários) e muitas outras áreas.

Um modelo mental aprendido em uma área pode, portanto, nos ajudar em outras áreas. Você só precisa saber quando é relevante usá-lo e quando não é.

O limite dos modelos mentais

Pode-se facilmente ser seduzido pelas muitas aplicações possíveis dos modelos mentais. Só não devemos esquecer que existem certos limites.

O erro ao aprender um modelo mental é pensar que ele é universal e, portanto, aplicável a todas as áreas.

Mas isso raramente é o caso.

Usar o princípio de Pareto na área médica, por exemplo, seria dramático.

Imagine se um médico usasse 20% das melhores técnicas médicas para remover 80% das células cancerígenas de um paciente. O paciente ainda teria 20% de células cancerosas e, portanto, um alto risco de disseminação do câncer.

O mesmo se aplica à segurança bancária. Imagine se seu banqueiro lhe dissesse que sua conta era 80% inviolável graças ao uso de 20% da capacidade de seu sistema de segurança. Você ficaria angustiado. Você pensaria que sempre há 20% de chance de sua conta ser invadida.

Aprender bem um modelo mental implica, portanto, também conhecer seus limites.

meninas conversando
meninas conversando

Nota: Os modelos mentais são imperfeitos, ou seja, não se baseiam em leis absolutas. Eles ainda são úteis e podem melhorar seu desempenho.

A importância de aprender vários modelos mentais

Dê um martelo a uma criança e tudo que ela encontrar se tornará um prego para ela.

Isso significa que quando temos poucos modelos mentais, tendemos a querer usá-los em todos os lugares, mesmo que não sejam adequados.

Nós “torturamos” nossa realidade para conformá-la aos nossos modelos. Estamos basicamente tentando encaixar quadrados em círculos e círculos em triângulos.

Mas é exatamente o contrário que devemos fazer.

Em vez de adaptar nossos problemas aos poucos modelos mentais que aprendemos, devemos ter modelos suficientes para escolher o mais adequado à nossa situação.

Em outras palavras, quanto mais modelos mentais aprendemos, mais adaptáveis ​​somos, mais podemos raciocinar efetivamente, resolver problemas, inovar e tomar boas decisões.

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...