O viés do sobrevivente

O viés do sobrevivente é quando se desenvolve uma visão distorcida da realidade, concentrando-se apenas em uma minoria de sucessos e ignorando a maioria silenciosa que falhou. 

Imagine, um grupo de cientistas reúne 100 chimpanzés em uma sala e dá a todos um computador para colocar ordens de mercado de ações. No final do dia, um dos chimpanzés conseguiu acumular uma pequena fortuna. Os cientistas estão então interessados ​​neste caso em particular para tentar explicar o seu sucesso. 

Ao estudá-lo, eles descobrem que o macaco em questão digita mais rápido do que os outros em seu teclado e que, consequentemente, é capaz de passar mais ordens do que os outros.

No dia seguinte, eles decidem ensinar todos os outros macacos a digitar mais rápido, acreditando que essa nova habilidade lhes permitirá acumular uma fortuna. 

No final do 2º dia, eles observam os macacos novamente, mas para seu grande pesar nenhum dos 100 chimpanzés conseguiu ficar rico. Pior ainda, a chimpanzé que fez fortuna perdeu tudo em apenas algumas horas.

Os cientistas não entendem. Eles pensaram que, identificando as qualidades do macaco bem-sucedido e transferindo-as para outros macacos, eles seriam capazes de obter sucesso semelhante e, no entanto, não parece estar funcionando. Então, como explicar isso?

Os cientistas estão realmente sofrendo do que é conhecido como viés de sobrevivência .

Neste artigo, veremos o que é o viés do sobrevivente, por que somos todos mais ou menos vítimas dele e como superá-lo para ter sucesso.

concentração
concentração

O que é viés de sobrevivência?

Para cada fundador que ficou rico, existem 100 outros empreendedores que acabaram em uma garagem desordenada.

DAVID COWAN

O viés do sobrevivente é o que acontece quando nos concentramos apenas em pessoas ou coisas bem-sucedidas sem considerar os muitos fracassos. 

O exemplo mais revelador é o dos empreendedores de sucesso. Nós os estudamos, dissecamos suas rotinas, seu estado de espírito, suas estratégias. Procuramos os seus pontos comuns na esperança secreta de encontrar a receita para o seu sucesso. E naturalmente, à força de pesquisar, acabamos por detectar características comuns. 

Se olharmos para a história de Walt Disney, JK Rowling e Michael Jordan, por exemplo, vemos que todos os 3 têm a determinação como uma qualidade comum.

Em 1919, Walt Disney foi demitido de um de seus primeiros trabalhos de animação porque o editor sentiu que lhe faltava imaginação e não tinha boas ideias. Depois disso, ele adquiriu o Laugh-O-Gram, um estúdio de animação que levou à falência. Foi só mais tarde, quando ele criou o estúdio dos irmãos da Disney com seu irmão, que ele se tornou bem sucedido. Foi graças à sua determinação que conseguiu superar as dificuldades e criar um império. 

JK Rowling foi rejeitada por 12 editoras antes que seu livro Harry Potter e a Pedra Filosofal fosse aceito. Foi sua determinação que o levou a continuar enviando seu livro apesar das rejeições. Hoje Harry Potter é um dos livros mais vendidos do mundo e uma das maiores franquias. 

Michael Jordan também estava determinado. Durante sua carreira, ele errou 9.000 arremessos e perdeu quase 300 jogos. Mas depois de cada um de seus fracassos, ele conseguiu se recuperar e é por isso que hoje é considerado um dos melhores jogadores de basquete de todos os tempos. 

Lendo essas histórias, você pode pensar que, para ter sucesso na vida, você precisa ser determinado. E pensando assim, estaríamos certos e errados ao mesmo tempo. Razão porque se analisarmos todas as pessoas que conseguiram, veremos que todas estavam determinadas a ter sucesso. Mas também estaríamos errados porque milhões de pessoas hoje são igualmente determinadas, mas não conseguem. 

O problema de focar apenas nos sucessos é que você obtém uma visão parcial da realidade. Nós nos concentramos apenas nos sobreviventes. Em outras palavras, sobre as poucas pessoas que sobreviveram às dificuldades e que estão lá para testemunhar.

Só que não vemos o resto. Ou seja, todas as outras pessoas que têm histórias e qualidades semelhantes, mas que não encontram sucesso por causa disso. Essas pessoas são invisíveis. Nós não ouvimos sobre eles. Não escrevemos livros sobre eles. Eles não aparecem na primeira página das revistas. E também não são entrevistados. Eles representam a maioria silenciosa.  

Isso é viés de sobrevivente. É desenvolver uma visão tendenciosa da realidade, considerando apenas uma minoria de sucessos e ignorando a maioria silenciosa que fracassou. 

homem fazendo escolhas
homem fazendo escolhas

Por que sofremos de viés de sobrevivência?

Os sobreviventes são aclamados

Se somos vítimas do viés de sobrevivência, é porque os sobreviventes são os que mais frequentemente estão no centro das atenções. São as pessoas sobre as quais escrevemos nos livros, as que são entrevistadas, as que ouvimos com mais frequência na mídia e as que são tema de documentários e filmes. Steve Jobs teve seu filme com Jobs, Mark Zuckerberg teve com a Rede Social, Jordan Belfort com o Lobo de Wall Street, Howard Hughes com Aviador, Chris Gardner com A Busca da Felicidade… 

As histórias de sucesso são, portanto, amplamente documentadas e promovidas. Eles são muito mais familiares para nós do que as histórias de fracasso, que são muito menos populares. 

Os sobreviventes são apresentados pelos algoritmos

Os sobreviventes também são visíveis graças aos algoritmos. 

Quando fazemos uma pesquisa no Google, somos apresentados na primeira página o conteúdo dos blogueiros mais populares. No Youtube, são sugeridos os vídeos dos criadores com mais visualizações. Nas redes sociais, vemos primeiro as postagens dos influenciadores que têm mais curtidas e interações. 

Nessas condições, pode-se ter a impressão de que todos são populares e que todos são bem-sucedidos. Mas quando olhamos as coisas de forma objetiva, vemos que, na grande maioria dos casos, o conteúdo publicado na web nunca ou é muito pouco visto. Eles geralmente acabam no Cemitério do Conteúdo Esquecido.

Sobreviventes nos inspiram

Finalmente, se somos vítimas do preconceito do sobrevivente, é também porque os sobreviventes nos inspiram e nos dão esperança. E esse é sem dúvida o maior motivo. 

Todo mundo adora histórias de sucesso. Pessoalmente, adoro ler ou ouvir as histórias de pessoas que começam do zero e que acabam tendo um sucesso fenomenal apesar das dificuldades. É algo com que todos nos identificamos. 

É muito menos deprimente do que olhar para a maioria fracassada. Porque essa maioria nos lembra que as chances de sucesso estão contra nós. E que, estatisticamente, é muito mais provável que acabemos no cemitério daqueles que fracassaram do que fazer parte do clube muito fechado dos sobreviventes.

Agora, isso não significa que você não tem chance de sucesso e é melhor não tentar nada. Pelo contrário. Significa apenas que você tem que abordar as coisas de maneira diferente.

Jovem estudando na faculdade
Jovem estudando na faculdade

Como limitar o viés de sobrevivência?

Concentre-se em fracassos, bem como sucessos

Temos muito a aprender com a mentalidade das pessoas de sucesso, seus modelos mentais e suas estratégias. Mas eles também não devem receber muito peso. Não há garantia de que, adotando a mesma mentalidade e aplicando os mesmos modelos e estratégias, teremos sucesso. 

Para nos dar todas as chances e reequilibrar nossa percepção das coisas, também devemos nos interessar pelas características comuns dos perdedores. Ou seja, ouvir a maioria silenciosa. Identifique as razões pelas quais essas pessoas não foram bem-sucedidas e evite repetir os mesmos erros a todo custo. 

Em outras palavras, as razões do sucesso devem receber tanta importância quanto as do fracasso. 

Leia também: Desenvolva seu raciocínio, libere sua criatividade e exploda sua produtividade com o modelo de inversão

Evite o reducionismo causal

O sucesso das pessoas é muitas vezes explicado apenas por suas habilidades. Acredita-se que se conseguiram é porque são apaixonados, pacientes, otimistas, confiantes, resilientes… 

Esquecemos que em alguns números as habilidades não são a única razão para o sucesso. Às vezes, há outras causas em jogo, talvez essas pessoas estivessem no lugar certo na hora certa. Talvez eles tivessem o capital necessário ou tivessem as conexões certas… 

Veja o Airbnb, por exemplo. Muitos concordam que Brian Chesky e Joe Gebbia, os 2 cofundadores do Airbnb, começaram sua empresa no momento certo. Eles lançaram seu projeto nos anos de 2007 – 2008. Em outras palavras, justamente na época da crise do subprime. Os americanos estavam em dificuldade e estavam procurando sobreviver. O Airbnb deu a eles a possibilidade de alugar sua casa/apartamento. Muitos não hesitaram em aproveitar a chance. 

Se os 2 empreendedores tivessem criado esse mesmo projeto 2 ou 3 anos antes com as mesmas habilidades, eles poderiam não ter conseguido tirar o projeto do papel também e o Airbnb poderia não existir hoje.

Quando analisamos o sucesso de outras pessoas, devemos, portanto, ter o cuidado de levar em conta todos os fatores de seu sucesso e não apenas explicá-lo por uma única causa.

Conclusão 

O viés do sobrevivente é um dos vieses cognitivos mais difíceis de superar porque nos lembra que todos estamos sujeitos ao fracasso e que as chances de sucesso estão contra nós. Esse viés pode ser superado concentrando-se em fracassos e sucessos e evitando o reducionismo causal.

Para ir mais longe neste assunto, recomendo 2 excelentes artigos que explicam o viés do sobrevivente de outro ângulo:

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...