Paralisia da análise: definição e 5 dicas para superá-la

Você conhece o paradoxo do burro de Buridan?

Um burro estava na frente de uma bicada de aveia e um balde de água. Ele não sabia por onde começar. Passou tanto tempo pensando e imaginando qual seria a melhor escolha que acabou morrendo de fome e sede.

Este exemplo absurdo ilustra perfeitamente o que é a paralisia da análise. 

O que é paralisia de análise?

A paralisia da análise, ou paralisia analítica, é o que acontece quando você analisa demais as coisas. É quando deixamos de tomar decisões porque temos medo de fazer a escolha errada e/ou nos deparamos com muitas opções. 

Em vez de decidir e agir, ficamos presos na fase de pesquisa e reflexão. Estamos constantemente avaliando nossas opções, estudando-as e pesando os prós e contras. 

Mesmo que já tenhamos informações suficientes para fazer a escolha certa, continuamos a ler cada vez mais livros, sempre pedimos mais conselhos, assistimos a mais e mais vídeos… sem nunca conseguir agir. 

Fazer pesquisa é saudável em si. Isso é o que nos permite tomar decisões informadas. Mas torna-se um problema quando essa fase de pesquisa se arrasta e se transforma em uma desculpa para atrasar nossas decisões. 

dado mágico
dado mágico

As Consequências da Paralisia da Análise 

A paralisia da análise coloca um problema em vários níveis.

Em primeiro lugar, analisar demais as coisas diminui nosso desempenho mental. Quando alguém está paralisado pela análise, sente-se estressado e ansioso. Mas nosso cérebro sob o efeito do estresse tem mais dificuldade de concentração. Ele é invadido por pensamentos distrativos que nos impedem de explorar plenamente nossas habilidades. Ele “sufoca” sob a pressão de usar o termo de Sian.L Beilock e Thomas H. Carr especialistas em psicologia e ciências cognitivas.1

A paralisia da análise também prejudica nossa criatividade. De acordo com Grace Hawthorne, professora da Universidade de Stanford, pensar demais nos impede de apresentar nosso trabalho mais criativo. 

Todos nós já passamos por isso, estamos diante de uma folha em branco, queremos escrever algo, mas estamos presos. As ideias estão girando em nossas cabeças e não sabemos por onde começar. Você coloca tanta pressão em si mesmo para escrever algo perfeito, que você não consegue escrever nada. 

Essa síndrome da página em branco não é nem mais nem menos do que uma forma de paralisia da análise. Não podemos escolher sobre o que vamos falar e estamos apavorados com a ideia. 

A paralisia analítica também pode nos deixar infelizes. Em seu estudo sobre escolhas e felicidade2 , Barry Schwartz distingue 2 tipos de pessoas:satisficersemaximizadores

Quando se trata de tomar decisões, os satisficers se contentam com a opção mais satisfatória aos seus olhos, ou seja, escolhem aquela que acham que é boa o suficiente. Os maximizadores , por outro lado, procuram tomar a decisão perfeita Uma escolha apenas satisfatória não é suficiente para eles. Eles precisam saber que exploraram todas as suas opções antes de fazer sua escolha, o que muitas vezes leva à paralisia. 

O que o estudo conclui é que os maximizadores certamente conseguem fazer melhores escolhas, mas os satisficers são mais felizes.

Fazer as melhores escolhas, portanto, nem sempre é sinônimo de felicidade, também pode nos expor à paralisia da análise. 

rapaz focado
rapaz focado

Como superar a paralisia da análise?

Técnica de Powell 

Colin Powell, ex-político americano e chefe de gabinete, teve que tomar muitas decisões críticas durante sua carreira. Em seu livro My American Journey (aff), ele apresenta uma técnica simples para superar a paralisia da análise. Ele a chama de fórmula P=40 a 70 . 

Simplificando, a fórmula 40 – 70 consiste em dizer que não devemos tomar uma decisão quando a informação que temos nos dá menos de 40% de chance de sucesso. Mas não devemos esperar ter mais de 70% de chance de sucesso para fazer uma escolha, porque muitas vezes já será tarde demais.

Imagine que você quer comprar uma casa. Se estivermos satisfeitos com as informações e fotos fornecidas em um anúncio classificado para tomar uma decisão, estamos na faixa de 0 a 40. A pouca informação que temos nos dá poucas chances de fazer a escolha certa.

Por outro lado, se já visitou a casa mais de dez vezes, fez todas as perguntas necessárias e tem todos os documentos relativos à casa (plano, ano de construção, terreno, etc.), estamos no Faixa de 70 a 100. Temos que tomar uma decisão rapidamente porque se continuarmos a coletar ainda mais informações, a casa pode passar sob nossos narizes. 

O sweet spot é, portanto, entre 40 e 70%, ou seja, quando a informação que temos nos dá entre 40 e 70% de chance de tomar a decisão certa.  

Para ir além: 4 maneiras de limitar a infobesidade para tomar decisões saudáveis

Faça um MVD

Mudar de carreira, abrir um negócio, comprar uma casa, mudar-se… são decisões que exigem reflexão. Elas implicam grandes mudanças em nossas vidas. E como as apostas são altas, é muito mais provável que fiquemos paralisados ​​pela análise. Então, como você supera essa paralisia ao tomar decisões de vida?

Graças ao que chamo de MVDs (Minimum Viable Decisions). 

Há alguns anos, Eric Ries, autor de Lean Start up (aff), popularizou o termo MVP (Minimum Viable Product). Essa estratégia é que as empresas criem o produto mais simples possível para confrontá-lo rapidamente com o mercado e obter feedback. Isso possibilita testar o interesse do mercado sem ter que passar meses criando um produto e gastando centenas de milhares de dólares. 

menino focado
menino focado

Essa estratégia de MVP, que permite às empresas reduzir sua margem de erro, pode ser perfeitamente adaptada à tomada de decisão . Em vez de pular na água e tomar uma grande decisão da noite para o dia, você já pode medir a temperatura com um MVD. Ou seja, tomar uma decisão menor para nos dar um gostinho do que aconteceria se tomássemos a grande decisão.

Em vez de mudar completamente de carreira, já podemos fazer algumas missões paralelas ao nosso trabalho ou fazer um estágio para testar nossa possível nova profissão.

E em vez de se mudar para uma nova cidade que você não conhece, você pode passar um fim de semana lá como um morador local para ver se gosta.

A ideia é tomar decisões pequenas e sem riscos para nos ajudar a fazer escolhas maiores e, assim, superar a paralisia da análise.

Defina um prazo para si mesmo

A Lei de Parkinson afirma que quanto mais tempo você se permitir realizar uma determinada tarefa, mais tempo levará para realizá-la. O que vale para nossas tarefas vale também para nossas decisões. 

Quando não limitamos o tempo de nossas decisões, passamos mais tempo explorando nossas opções e pensando, o que pode levar à paralisia. 

Para evitar ser bloqueado pela análise, é importante definir um prazo. Em outras palavras, definir um dia antes do qual devemos imperativamente tomar nossa decisão. Por exemplo : 

“ Até quinta-feira, 12 de dezembro, às 18h, decidirei se começo esse novo negócio.” 

Limitar temporariamente nossa decisão cria urgência. Assim, somos menos tentados a nos espalhar ao longo do tempo e pensar demais. Esse truque funciona ainda mais quando combinado com a técnica que veremos na próxima parte. 

Comprometer-se publicamente

Quando estamos sozinhos com nossas decisões, sempre somos tentados a procrastinar e encontrar desculpas. Se tivermos que tomar uma decisão por 2 semanas e continuarmos a adiar porque estamos paralisados ​​pela análise, ninguém vai usar isso contra nós. 

Por outro lado, quando compartilhamos nossas decisões publicamente, a dinâmica muda. Não estamos mais sozinhos, há testemunhas. Sentimos então que temos que agir e fazer uma escolha.

homem no celular e no computador
homem no celular e no computador

Alguns anos atrás eu queria montar minha agência web. Eu queria me preparar o máximo possível. Então imaginei qual seria minha atividade, meu posicionamento de marketing, minha abordagem de prospecção, meu status de negócio… E quanto mais me preparava, mais sentia que estava faltando informação. Na verdade, fiquei paralisado com a análise. 

E então eu falei sobre minha agência ao meu redor e as coisas começaram a mudar. Eu não estava mais sozinho com a minha decisão. Toda vez que eu discutia com meus parentes, eles me perguntavam onde eu estava na criação da minha agência. Senti então a urgência de agir. Eu não queria mais parecer estúpida toda vez que me perguntavam sobre meu projeto de negócios. Eu queria poder dizer a eles que meu projeto estava progredindo e não que eu ainda estava indeciso.

1 semana depois de ter começado a falar da minha agência aos meus familiares, registei a minha situação empresarial e iniciei a minha actividade. 

Compartilhar minha decisão publicamente foi o que me permitiu superar minha paralisia e agir.

Concorde em tomar uma decisão ruim

O que é pior: tomar uma decisão ruim, mas seguir em frente ou não fazer nada e se arrepender a vida inteira?

Se ficamos paralisados ​​pela análise é porque temos medo de fazer escolhas erradas. Mas quando você pensa sobre isso, tomar uma decisão ruim não é tão ruim em si. A maioria das decisões que tomamos são reversíveis. Isso quer dizer que sempre podemos voltar se eles não nos agradam.

“ Você pode passar por uma porta e sair pelo outro lado se não funcionar. 

RICHARD BRANSON 

Tomar uma decisão ruim também é uma oportunidade de aprender e crescer. Cometer erros nos dá a oportunidade de crescer e nos tornar uma versão melhor de nós mesmos. É por isso que muitas vezes recomendo documentar nossas decisões . Isso nos permite manter um registro escrito de nossas decisões passadas para otimizar todas as nossas decisões futuras.

É importante lembrar esses pontos ao lidar com a paralisia da análise, pois isso pode nos ajudar a liberar a pressão e, finalmente, agir.

Conclusão 

Para concluir, todos estamos sujeitos, um dia ou outro, à paralisia da análise e é importante saber reagir para não perder oportunidades.

Como lembrete, aqui estão algumas técnicas para superar a paralisia da análise:

  • Aplique a técnica de Powell: Tome uma decisão quando a informação que temos nos dá entre 40 e 70% de chance de sucesso.
  • Faça um MVD (Decisão Mínima Viável): Em vez de tentar tomar uma grande decisão imediatamente, você pode primeiro tomar uma menor sem risco para provar a si mesmo.
  • Imponha um prazo: Para não estender nossa decisão indefinidamente ao longo do tempo, devemos impor um prazo antes do qual devemos decidir e fazer uma escolha.
  • Comprometer-se publicamente: compartilhar nossa decisão com os outros nos leva a agir e decidir.
  • Aceite tomar decisões ruins: É importante lembrar que tomar uma decisão ruim não é inevitável na grande maioria dos casos. Sempre podemos voltar atrás ou aprender com nossos erros.

Notas :

  1. Quando pessoas poderosas falham: memória de trabalho e “engasgos sob pressão” em matemática
  2. Escolha e Felicidade: Swarthmore Última Coleção

Explorando o Gamebucks: Transformando Opiniões em Inovação Gamer

O Gamebucks, uma criação visionária do programador brasileiro Carlos, celebrado como o Elon Musk...

Guia Essencial para Escolher a Agência de Marketing Digital Perfeita para o Seu Negócio

O marketing digital tornou-se uma ferramenta indispensável para empresas que buscam se destacar no...

Técnico Mecânico Hidráulico: Um Guia Completo Sobre a Profissão

A carreira de Técnico Mecânico Hidráulico é uma das mais fundamentais no setor industrial...